Palavra do Presidente

Infraestrutura é a base do desenvolvimento*

O novo plano de concessões anunciado pelo governo federal, no final de agosto, certamente será um estímulo ao investimento produtivo, à produção de riquezas e à geração de empregos. Mas o Brasil precisa ir muito além para alcançar um novo patamar do desenvolvimento dinâmico e sustentável.

Vencida a pior recessão de que temos registro, é necessário superar as limitações impostas pelas deficiências de infraestrutura para que a recuperação econômica seja consistente e duradoura. 

Sem infraestrutura de transporte, nem o agronegócio, nem a exportação de commodities minerais, pilares da economia nacional, terão espaço para se expandir, ganhar competitividade e ocupar novos mercados. Também ficam inviáveis a expansão da indústria e a diversificação da economia na direção de setores inovadores e de regiões com grande potencial de desenvolvimento, como o Norte e o Nordeste.

Estudos realizados pela CNT estimam investimentos da ordem de R$ 1 trilhão para superarmos as barreiras impostas pela baixa oferta de infraestrutura de transporte e logística. O planejamento do setor deve prever um sistema integrado e multimodal, capaz de responder às dimensões e às diversidades econômica, geográfica e social do Brasil.

Os investimentos em infraestrutura favorecem a criação de polos regionais de desenvolvimento, estimulam o aumento da produtividade, geram crescimento econômico, produzem riquezas e ampliam as oportunidades de emprego e renda para a população. Também concorrem para o aumento da arrecadação de Estados e municípios, ampliando a capacidade de investimentos governamentais em políticas públicas essenciais como saúde, educação e segurança.

Para alcançar esse círculo virtuoso de crescimento com distribuição de renda, junto com o fortalecimento da infraestrutura, o Brasil precisa continuar a modernização do Estado. Passos importantes já foram dados, como o teto de gastos públicos, a Reforma do Ensino Médio, a terceirização da mão de obra e a nova Lei Trabalhista.

Agora, o que se espera do governo e do Congresso Nacional é que sejam realizadas as reformas previdenciária, tributária e política. Com um Estado mais leve, mais ágil e favorável ao investimento produtivo, o Brasil terá condições para crescer, gerar empregos e criar novas oportunidades para todos. Esta é a senha do desenvolvimento sustentável: mais investimentos, mais riqueza para todos. 

Clésio Andrade

Presidente da Confederação Nacional do Transporte

* Os artigos do presidente da CNT são publicados mensalmente na Revista CNT Transporte Atual​