13/05/2015

“Precisamos desenvolver a cultura do risco na formação de motoristas”

Diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, concedeu entrevista à Agência CNT de Notícias

 

Foto: Divulgação/Via 9 Autoescola “Precisamos desenvolver a cultura do risco na formação de motoristas”

O diretor-presidente do ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária), José Aurelio Ramalho, defende mudanças na formação de novos condutores no país. Para ele, o método como o conteúdo é aplicado e cobrado nos testes não favorece a conscientização dos condutores, já que demanda que o aluno decore o significado de sinais, placas e as penalidades em caso de descumprimento. Em vez disso, Ramalho defende que a formação aborde e cobre, com mais rigor, conhecimento das condutas adequadas e riscos de comportamentos inadequados.

Atualmente, para obtenção da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) na categoria B, é necessário frequentar 30 horas/aulas do curso teórico e 25 horas/aula de prática de direção. Ao final, o aluno responde a uma prova e realiza, também, o teste nas vias das cidades.

Leia a entrevista concedida por Ramalho à Agência CNT de Notícias.

joseramalho.jpgNo Brasil, mais de 40 mil pessoas morrem, por ano, em decorrência de acidentes de trânsito. Sabemos algumas estratégias para reduzir as estatísticas. Fala-se em conscientização, em fiscalização. Mas os números crescem. Onde estamos falhando?

São quatro fatores que estão por trás da maioria dos acidentes: velocidade, álcool, uso de celular e sonolência. Mas esses fatores causam acidentes em razão, principalmente, da má formação do condutor. A fiscalização é fundamental, mas precisa ter a formação que ensine a gestão de risco. Falar: olha, não passe o sinal vermelho porque, senão, você pode matar alguém. Use o cinto no banco traseiro, porque, senão, você pode quebrar o seu pescoço. A população sabe que a fiscalização é falha. Então, essa não é a melhor maneira de se mudar comportamentos. Quanto mais câmeras, quanto mais fiscalização tem, mais significa que o povo é mal educado, indisciplinado. E a fiscalização é para quem está fora da lei. Não é indústria da multa, como alguns gostam de dizer. A multa só existiu porque você falhou, infringiu a lei.

Para mudar a forma como ocorre a formação de condutores, tem que ter uma alteração legal? O que está sendo feito?

Isso está sendo discutido em audiências públicas na Câmara dos Deputados, porque tem que mudar. Hoje não há educação, há adestramento. Você decora 32 placas e as multas, caso você infrinja a lei. A questão tem que ser: o que você faz quando vê aquela placa? Você aprende o que é, mas desconhece as condutas adequadas diante de cada sinal. Não tem avaliação do risco. Precisamos desenvolver a cultura do risco.

Outro assunto que gostaria de tratar é da municipalização do trânsito. Apenas 26% dos municípios adotaram essa medida, que é obrigatória, segundo o Código de Trânsito Brasileiro. A que se atribui a estatística tão baixa?

Já existem estudos validados que tratam do motivo. A saúde é municipalizada, a educação é municipalizada, mas vem recurso estadual e federal para o município. No caso do trânsito, não vem nada. O trânsito gera seus recursos através da multa. Mas quando você vai para cidades pequenas, o viés político da multa é muito forte. Então, esse problema tem que ser resolvido. Outra fonte de receita dos municípios é a zona azul. Mas quando eles são pequenos, não precisam disso. Então, é necessário ter um recurso. O IPVA, por exemplo, deveria ter um carimbo, para que determinado percentual seja destinado, necessariamente, para o trânsito.

Por que tornar a gestão do trânsito uma responsabilidade da administração local é importante?

Quando o município assume a gestão do trânsito, é possível melhora-lo e torna-lo mais seguro. Se ocorre um acidente, as vítimas são levadas para o hospital local, que nem sempre tem estrutura para isso. Ou seja, a gestão falha gera outros problemas sociais. Além disso, a prefeitura é que tem todo arcabouço de informações para agir localmente. A legislação é federal, mas tudo acontece no município. E a educação que você tem no seu município, você vai levar para outros locais. Se você não foi preparado, não tem a gestão de risco, você acaba sendo imprudente ou negligente, onde quer que vá. 

 

Natália Pianegonda

Agência CNT de Notícias

 

Os textos veiculados pela Agência CNT de Notícias podem ser reproduzidos desde que a fonte seja citada. O conteúdo está licenciado sob a CC-by-sa-2.5, exceto quando especificado em contrário e nos conteúdos replicados de outras fontes.